Notícias

Palestra no Consórcio ABC debate história e preservação da Represa Billings

Iniciativa foi organizada pelo Semasa em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente de Santo André em comemoração aos 93 anos do reservatório

27/03/2018

Em comemoração ao 93º aniversário da represa Billings, um dos maiores reservatórios de água da Grande São Paulo, o Consórcio Intermunicipal Grande ABC recebeu nesta terça-feira (27) a palestra “Represa Billings: manancial protegido ou esperança de moradia?”. A iniciativa foi organizada pelo Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa), em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Santo André.

O encontro teve como objetivo abordar a importância do local para o abastecimento da região, assim como os impactos ambientais das ocupações às margens da represa. A coordenadora do Grupo de Trabalho (GT) Meio Ambiente, Sonia Lima, destacou a importância de encontros com profissionais para o debate sobre o assunto. “Essas iniciativas nos proporcionam momentos de reflexão, que nos levam a refletir e consolidar as contribuições que vêm sendo realizadas ao longo da história em prol da conservação e preservação, criando soluções inovadoras para resolver os problemas das cidades”, disse. 

O evento contou ainda com a participação do sociólogo Ricardo Araújo, que coordenou o programa Programa Mananciais e Programa Reágua, financiado pelo Banco Mundial; Márcia Nascimento, assessora da Coordenadoria de Planejamento Ambiental da Secretaria Estadual do Meio Ambiente; Vívian Marrani de Azevedo Marques, assessora da Diretoria de Controle e Licenciamento da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb); e Marcos Boldarini, arquiteto e urbanista que coordena e desenvolve projetos de urbanização de assentamentos precários, habitação de interesse social, equipamentos e espaços públicos há mais de 15 anos. 

Inaugurada em 1925, a represa foi idealizada para gerar energia elétrica para a capital paulista, por meio da usina Henry Borden, em Cubatão. O reservatório passou a servir de manancial para abastecimento público da região do ABC para atender à demanda de água para população em crescimento na região metropolitana.